CISCEA dá início ao projeto de modernização do DACOM Sistema de Defesa Aérea e Circulação Operacional Militar

CISCEA DÁ INÍCIO AO PROJETO DE MODERNIZAÇÃO DO DACOM – SISTEMA DE DEFESA AÉREA E CIRCULAÇÃO OPERACIONAL MILITAR

 

A Comissão de Implantação do Sistema de Controle do Espaço Aéreo (CISCEA) realizou, no dia 28 de janeiro, a reunião de início de contrato, firmado com a Fundação Ezute em dezembro de 2020 para a modernização do Sistema de Defesa Aérea e Circulação Operacional Militar (DACOM). A reunião ocorreu de forma 100% remota entre representantes da Divisão Operacional da CISCEA e da empresa contratada, com o objetivo de alinhar o escopo do projeto, as atividades previstas e seu cronograma.

O sistema DACOM, desenvolvido na década de 90, é a principal ferramenta de tecnologia da informação atualmente em uso no Sistema de Defesa Aeroespacial Brasileiro (SISDABRA), que exerce a supervisão e a coordenação das atividades de manutenção da Soberania do Espaço Aéreo Brasileiro. Decorridos mais de 20 anos, é necessária a evolução do Sistema de forma a atender às novas diretrizes operacionais do SISDABRA.

O projeto de modernização visa à elaboração de conceitos operacionais e especificações técnicas que servirão de base para uma nova concepção sistêmica, incorporando novas tecnologias e arquitetura modular à atual versão implantada, bem como o desenvolvimento de novas funcionalidades de apoio à decisão, pautadas na integração de dados e na troca de informações em um outro patamar de tecnologia, para uma eficiente condução de missões de Defesa Aeroespacial e de Operações Aéreas Correntes.

Além da adoção conceitos de software modular e escalável, que possibilitem incorporar os novos recursos computacionais do mercado e novos componentes para atender às necessidades identificadas ao longo desses 20 anos, a nova concepção visa tornar viável uma atuação institucional das Forças Armadas de forma integrada, proporcionando maior agilidade na tomada de decisão colaborativa para preparo, articulação e emprego dos meios de combate para a Defesa Aeroespacial.  O projeto trará benefícios voltados para um desempenho mais eficaz de diversos Órgãos do SISDABRA, como os Centro de Operações Militares (COpM), o Comando de Operações Aeroespaciais (COMAE) e o Primeiro Grupo de Comunicações e Controle (1ºGCC).

O Gerente de Operações da CISCEA Bruno Castro explica que o projeto do novo DACOM foi iniciado em 2014 e contou com a participação de uma grande equipe da CISCEA e de representantes de Organizações da Força Aérea Brasileira (FAB) para o levantamento das especificações técnicas e operacionais. “É gratificante ver um projeto tão nobre e importante e que é ainda é parte do sistema de Defesa Aérea do país se tornar algo mais palpável. Após uma pausa no projeto, foram retomadas as ações com forte engajamento e disposição de toda a equipe, para acompanhar, gerenciar e coordenar o projeto desde a fase inicial de especificações até o desenvolvimento e software e implantação”.

Para o Chefe da Divisão Operacional da CISCEA, Major Aviador Marcio Rodrigues Ribeiro Gladulich, é uma satisfação pessoal participar do desenvolvimento do novo DACOM. “Ao longo de minha carreira operacional, na Aviação de Caça, fui diversas vezes controlado pelo Centro de Operações Militares (COpM) em missões de interceptação ou de combate BVR (do inglês, Beyond Visual Range, ou seja, além do alcance visual). Dessa forma, estar envolvido na concepção de modernização desta importante ferramenta para o SISDABRA é realmente gratificante pelo sentimento de trabalhar em prol de uma nova geração de pilotos e controladores da Força Aérea Brasileira (FAB)”, declarou.

Os passos iniciais do projeto são as interações entre a CISCEA, a empresa contratada e os Órgãos operacionais envolvidos diretamente da utilização do sistema, para definições mais detalhadas e aprovação dos documentos que balizarão as próximas fases de desenvolvimento e implantação do sistema.

Seção de Comunicação Social da CISCEA
1º Tenente Relações Públicas Camille Barroso
Fonte: Bruno Castro e Camilla Aguiar (DO/CISCEA)

Foto: Agência Força Aérea / Divisão Operacional da CISCEA