26
nov

Ezute facilita acesso eletrônico do DAEE durante a pandemia

EZUTE FACILITA ACESSO ELETRÔNICO DO DAEE DURANTE A PANDEMIA

Durante a pandemia, as Outorgas do Departamento de Águas e Energia Elétrica (DAEE) tem sido viabilizadas graças ao apoio da Fundação Ezute, que não tem medido esforços para viabilizar o acesso dos técnicos ao Sistema de Outorga Eletrônica, no módulo de análise técnica, pela Internet.

Disponível até então somente pela Intranet do Governo do Estado de São Paulo, o módulo foi disponibilizado pela Internet de forma rápida e segura, permitindo que o DAEE, já durante o mês de outubro, ultrapassasse o montante de requerimentos analisados em 2019, que foi de 11 mil outorgas. A expectativa é que o número total exceda 13 mil em 2020, dois mil a mais que no ano passado.

Em tempo de crise sanitária mundial, o DAEE tem trabalhado em prol do desenvolvimento do Estado na manutenção da outorga de Direito de Uso, fundamental para a gestão dos recursos hídricos e o gatilho para o início de outros processos, como o licenciamento ambiental e financiamentos junto aos bancos públicos.

23
nov

Ezute promove palestra sobre Violência contra a mulher

EZUTE PROMOVE PALESTRA SOBRE VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER

Estimativa global publicada pela Organização Mundial da Saúde (OMS) revela que uma em cada três mulheres em todo o mundo – especificamente 35% – já foi vítima de violência física ou sexual durante a vida.

Em virtude da relevância do tema, a Fundação Ezute promoveu, no dia 19 de novembro, uma palestra on-line sobre Violência contra a Mulher. O intuito do evento foi desmistificar o assunto, informar, sensibilizar e preparar as pessoas para identificar algum tipo de violência na sua convivência e entorno e oferecer suporte e apoio às vítimas.

A temática foi conduzida pela presidente da Business Professional Women São Paulo, Claudia Pirani, que destacou os aspectos históricos e culturais que deram origem aos comportamentos violentos. “O nosso sistema ainda é patriarcal, somos ensinados, desde o nascimento, a perpetuar e legitimar comportamentos e práticas relacionados ao gênero”, disse a palestrante, ao ressaltar que, mesmo que não seja fácil, é preciso trabalhar para quebrar e desconstruir esse círculo vicioso.

Apesar de a violência de gênero física ser a mais facilmente identificada, existem outros tipos como a psicológica, a sexual e a simbólica, todas afetando alguém em situação de vulnerabilidade devido à identidade ou orientação sexual.

Claudia também abordou as críticas de grande parte da população sobre o porquê de as mulheres não se separarem de seus agressores, quando são seus companheiros. Ela explicou que muitos podem ser os motivos, como medo, vergonha, esperança de que não aconteça mais ou dependência econômica.

Outro mito abordado na palestra foi o de que a violência acontece apenas em famílias problemáticas e de baixa renda ou por questões relacionadas ao alcoolismo. Além disso, muitas mulheres demoram a identificar que são vítimas, em função do carisma ou da boa imagem do agressor em seu círculo social.

Ao destacar que as agressões atingem cerca de 35% das mulheres, Claudia pontuou que o problema está mais perto do que se imagina e, portanto, deve ser considerado uma questão social, exigindo a conscientização de todos. “Ao contrário do que dizem, podemos e devemos meter a colher”, ressaltou. “Precisamos amparar e dar todo o suporte de que essas mulheres necessitam. Falar de violência doméstica é falar de ideais da família”, acrescentou a palestrante, ao propor a criação de um novo sistema com a desconstrução do papel e das práticas de cada um.

19
nov

Ezute mantém credenciamento como Empresa Estratégica de Defesa

EZUTE MANTÉM CREDENCIAMENTO COMO EMPRESA ESTRATÉGICA DE DEFESA

Boas práticas em Gestão de Projetos Complexos e aplicação dos conceitos de Engenharia de Sistemas garantem à Fundação Ezute renovação da certificação de Empresa Estratégica de Defesa, concedida pelo Ministério da Defesa

Após avaliação técnica, o Ministério da Defesa concedeu a manutenção do credenciamento da Fundação Ezute como Empresa Estratégica de Defesa (EED) e a manutenção de seus produtos como Produtos Estratégicos de Defesa (PED).

Os itens avaliados foram a Concepção de Sistemas para Programas Estratégicos de Defesa; a Gestão de Engenharia de Sistemas para Desenvolvimento de Armas Inteligentes; e a Absorção de Conhecimento para Montagem de Plataforma de Manutenção de Sistemas de Combate de Submarino.

A renovação da classificação foi confirmada após uma visita técnica, do dia 22 de outubro, de uma equipe de avaliação formada por representantes da Secretaria de Produtos da Defesa (SEPROD), do Departamento de Produtos da Defesa (DEPROD), do Centro de Apoio a Sistemas Logísticos de Defesa (CASLODE) e das Forças Armadas, à sede da Fundação Ezute, visando a verificação da adequação da instituição às normas estabelecidas pela Lei nº 12.598/2012, marco legal para os credenciamentos de EED e PED no setor de Defesa.

 

27
out

Webinar explica pesquisa sobre movimento marítimo, fruto de parceria entre Ezute e EGN

WEBINAR EXPLICA PESQUISA SOBRE MOVIMENTO MARÍTIMO, FRUTO DE PARCERIA ENTRE EZUTE E EGN

A Escola de Guerra Naval (EGN), juntamente com a Fundação Ezute, promoveu, no dia 14 de outubro, o Webinar sobre o “Compartilhamento e integração de informações do movimento marítimo: uma abordagem para o desenvolvimento do Cluster Tecnológico Naval do RJ”.

Este tema de pesquisa de interesse comum às instituições para o biênio 2020-2021 é fruto de um Termo de Cooperação, assinado em 2015, que possibilita a Fundação contribuir com o desenvolvimento e o apoio às pesquisas realizadas na área de Estudos Marítimos da EGN, por meio de bolsas de estudo.

A abertura do Webinar foi realizada pelos coordenadores da pesquisa pela EGN e pela Ezute, respetivamente, o Capitão de Fragata (RM1-EN) José Roberto Brito de Souza e o especialista em Engenharia de Sistemas Cleber Almeida de Oliveira, que deram as boas-vindas aos participantes e abordaram a relevância do tema para a formação de jovens alunos de mestrado para a sociedade. Além disso, salientaram que o propósito do webinar era de reunir instituições que tivessem interesse em informações de tráfego marítimo, de modo a mapear os recursos utilizados, a possibilidade de compartilhamento das informações coletadas, bem como os status dos projetos associados e os principais problemas existentes.

Em seguida, os mestrandos Ana Carolina Dias Terra e Luiz Miguel Klen Leite ressaltaram a reduzida produção científica sobre o tema e que o escopo da pesquisa foi limitado à Baía de Sepetiba no Rio de Janeiro em função do tempo dedicado para a pesquisa. Explicaram que a pesquisa se propõe a analisar como o compartilhamento de informações sobre movimento de tráfego marítimo pode ser um fator otimizador e de redução de custos para as diversas instituições interessadas, sugerindo a inclusão do serviço de compartilhamento de dados marítimos como um projeto para o desenvolvimento do Cluster Tecnológico Naval do Rio de Janeiro.

O evento seguiu com apresentações ministradas por participantes convidados: o CMG (RM1) Marcelo Villas Boas, gerente do VTMIS da Companhia Docas do Rio de Janeiro; a Sra Julia Cristómono, representante da autoridade portuária de Itaguaí e de Angra dos Reis; a CMG (T) Lage, da DGePM, que apresentou o Programa SisGAAz e a CF (T) Aline, encarregada da Seção de Relações Institucionais do CISMAR. Participaram, ainda, do evento on-line profissionais da indústria de defesa e da academia que tiveram a oportunidade de participar do debate com perguntas aos palestrantes.

2
maio

Fundação Ezute e Consórcio Intermunicipal do Médio Vale do Itajaí firmam acordo de cooperação em saneamento

Fundação Ezute e Consórcio Intermunicipal do Médio Vale do Itajaí firmam acordo de cooperação em saneamento

A Fundação Ezute e o Consórcio Intermunicipal do Médio Vale do Itajaí (CIMVI) firmaram um acordo de cooperação visando estabelecer a cooperação técnica para estruturação e desenvolvimento de estudos de modelagem para projetos de concessão ou parceria público privada (PPP) em saneamento nos Municípios de Benedito Novo, Doutor Pedrinho, Pomerode e Timbó. Para marcar o início dos trabalhos, foi realizada uma cerimônia no dia 8 de maio, na Prefeitura de Pomerode.

“O acordo de cooperação tem como objetivo o apoio ao CIMVI na estruturação dos projetos de concessão ou PPP dos serviços de abastecimento de água e esgotamento sanitário nos Municípios, individualmente ou em conjunto, segundo o que se mostrar mais viável ao longo dos estudos”, adianta o diretor de Inovação e Parcerias Público-Privadas da Ezute, Thomas Strasser. “O nosso trabalho envolverá o levantamento da situação dos municípios quanto à existência de ambiente técnico, jurídico e regulatório favoráveis à estruturação da concessão, ou PPP de saneamento e, uma vez vencida esta etapa inicial, passaremos à estruturação completa do projeto, incluindo os estudos técnicos, operacionais, econômico-financeiros e jurídicos, inclusive acompanhando as etapas de consulta pública, audiência pública, validação com órgãos de controle, principalmente o TCE/SC, e licitação”.

O projeto será custeado pelos recursos captados pela Ezute junto à iniciativa privada, em resposta ao edital publicado pela Fundação em 2018. Trata-se do primeiro acordo celebrado pela Ezute na Região Sul do Brasil com recursos deste edital. O projeto envolverá inicialmente 4 dos 14 municípios consorciados ao CIMVI, mas poderá ser expandido para os demais, mediante adesão à iniciativa.

O CIMVI constitui-se como um Consórcio Público de Direito Público, multifinalitário, que se destaca com a implementação pioneira no Brasil do Programa de Licenciamento Ambiental em parceria otimizada com os municípios aderentes e o serviço de Saneamento em Resíduos Sólidos, através da gestão e disposição final no aterro sanitário consorciado estabelecido no município de Timbó. Tudo começou há 20 Anos, quando em razão de problemas ambientais comuns, decorrentes de atividades próprias do crescimento econômico-social, os municípios de Benedito Novo, Doutor Pedrinho, Rio dos Cedros, Rodeio e Timbó, situados no Médio Vale do Itajaí, Estado de Santa Catarina, firmaram intenção de cooperação mútua e constituição de pessoa jurídica para a promover a gestão consorciada de atividades ligadas a recursos ambientais. Os 14 municípios que fazem parte da entidade são: Ascurra, Apiúna, Benedito Novo, Botuverá, Doutor Pedrinho, Guabiruba, Indaial, Ilhota, Luiz Alves, Massaranduba, Pomerode, Rio dos Cedros, Rodeio e Timbó.

No setor de Concessões e PPPs, a Fundação Ezute inovou ao propor em 2018 um modelo alternativo ao Procedimento de Manifestação de Interesse – PMI, para a estruturação dos projetos. No novo modelo, a Ezute assume, por meio de chamamentos públicos, a captação de recursos financeiros privados a título de doação com encargo, e estrutura os projetos, sem custos para a administração pública, através dos acordos de cooperação. Os potenciais doadores são organizações ou empresas com interesse em fomentar os setores abrangidos pelos editais. Já os beneficiários podem ser municípios, consórcios públicos ou órgãos estaduais.

O modelo da Ezute, que esteve no short list de indicados na categoria Ideia Mais Inovadora do Ano no PPP Awards 2018, promove o apoio ao poder público não apenas na estruturação do projeto, mas em todas as etapas do ciclo de vida dos empreendimentos, trazendo uma eficiência muito maior que a do PMI, processo muito empregado atualmente pelas prefeituras, por meio do qual as empresas privadas podem apoiar a gestão pública nos estudos de viabilidade. Geralmente, por envolverem diversas empresas, os PMIs acabam se tornando onerosos e, em muitos casos, envolvem interesses destoantes, informações assimétricas e ineficiências. Desta forma, a grande maioria dos projetos estruturados por PMI não prospera, por não atender plenamente à legislação vigente ou por apresentar deficiências técnicas ou econômico-financeiras na elaboração, não avançando para o estágio de licitação. Por estas razões, a cada 100 projetos estruturados por PMI no Brasil, apenas 6 se tornam contrato.

O CIMVI será o primeiro consórcio beneficiário do modelo inovador da Ezute, que garante total isenção ao longo da estruturação. Outros municípios devem adotar o mesmo modelo em breve: “o pioneirismo tem as suas dificuldades, mas com a celebração deste acordo de cooperação, tenho certeza de que outros municípios com os quais estabelecemos contato desde o ano passado ganharão confiança e também farão a adesão ao nosso modelo” comenta o executivo da Ezute.

Para dar mais transparência ao processo e facilitar a interlocução com as prefeituras, a Ezute celebrou um acordo com a FNP – Frente Nacional dos Prefeitos, em novembro passado. Além do setor de Saneamento, a Fundação Ezute já publicou editais de captação para os setores de Iluminação Pública e Resíduos Sólidos. Os editais podem ser acessados em http://www.ezute.org.br/editais/. Neste setor de concessões e PPPs, além de atuar na estruturação dos projetos, a Ezute também pode atuar como Verificador Independente dos contratos celebrados.

11
abr

Brasil começará a fabricar seu 1º míssil antinavio de superfície este ano

Brasil começará a fabricar seu 1º míssil antinavio de superfície este ano

Matéria do UOL traz fala do presidente da Fundação Ezute, Delfim Ossamu Miyamaru. Clique na imagem para ler.

11
abr

Fundação Ezute e Governo do Piauí firmam acordo de cooperação em saneamento

Fundação Ezute e Governo do Piauí firmam acordo de cooperação em saneamento

Assinatura aconteceu nesta quinta-feira (dia 11/4), em Teresina

A Fundação Ezute e a Superintendência de Parcerias e Concessões do Estado do Piauí (SUPARC) firmaram, no dia 11/4, um acordo visando estabelecer a cooperação técnica para estruturação e desenvolvimento de estudos de modelagem para o projeto de concessão ou parceria público privada (PPP) em saneamento no Município de Floriano, no interior do estado do Piauí.

“O acordo de cooperação tem como objetivo o apoio à SUPARC na estruturação do projeto de concessão ou PPP dos serviços de abastecimento de água e esgotamento sanitário de Floriano, quinto maior município do estado do Piauí, com quase 60 mil habitantes”, adianta o diretor de inovação e parcerias público-privadas da Ezute, Thomas Strasser.

O projeto é custeado pelos recursos captados pela Fundação junto à iniciativa privada, em resposta ao edital publicado pela Fundação Ezute em 2018. “O nosso trabalho envolverá o levantamento da situação do município de Floriano quanto à existência de ambiente técnico, jurídico e regulatório favoráveis à estruturação da concessão, ou PPP, de saneamento e, uma vez vencida esta etapa inicial, passaremos à estruturação completa do projeto, incluindo os estudos técnicos, operacionais, econômico-financeiros e jurídicos, inclusive acompanhando as etapas de consulta pública, audiência pública, validação com órgãos de controle e licitação”.

A SUPARC liderou o projeto de concessão dos serviços de saneamento da capital do Piauí, Teresina, que foi agraciado como o melhor projeto do ano de 2018 no evento “PPP Awards 2018”. A superintendente Viviane Bezerra pretende replicar o modelo de sucesso no interior do estado: “Já existe uma iniciativa na região do município de Picos, terceira maior cidade do estado, que será conduzida por meio de uma Manifestação de Interesse Privada, enquanto a região de Floriano será tratada no escopo do acordo de cooperação com a Ezute”. Viviane comenta que “depois de dois anos tentando atender às demandas de saneamento dos prefeitos do interior do estado por meio de blocos de municípios, sem sucesso, a ideia agora é que Picos e Floriano sejam líderes regionais das iniciativas e que os municípios nos seus entornos possam aderir aos projetos, com fluxos de caixa marginais que não impactem o fluxo de caixa do município líder”.

No setor de Concessões e PPPs, a Fundação Ezute inovou ao propor em 2018 um modelo alternativo ao Procedimento de Manifestação de Interesse – PMI, para a estruturação dos projetos. No novo modelo, a Ezute assume, por meio de chamamentos públicos, a captação de recursos financeiros privados a título de doação com encargo, e estrutura os projetos, sem custos para a administração pública, por meio de acordos de cooperação. Os potenciais doadores são organizações ou empresas com interesse em fomentar os setores abrangidos pelos editais. Já os beneficiários podem ser municípios, consórcios públicos ou órgãos estaduais.

O modelo da Ezute, que inclusive esteve no short list de indicados na categoria  “Ideia Mais Inovadora do Ano”, na mesma premiação de “PPPs” de 2018 na qual o projeto de Teresina foi agraciado, promove o apoio ao poder público não apenas na estruturação do projeto, mas em todas as etapas do ciclo de vida dos empreendimentos, trazendo uma eficiência muito maior que a do PMI, processo muito empregado atualmente pelas prefeituras, por meio do qual as empresas privadas podem apoiar a gestão pública nos estudos de viabilidade. Geralmente, por envolverem diversas empresas, os PMIs acabam se tornando onerosos e, em muitos casos, envolvem interesses destoantes, informações assimétricas e ineficiências. Desta forma, a grande maioria dos projetos estruturados por PMI não prospera, por não atender plenamente à legislação vigente ou por apresentar deficiências técnicas ou econômico-financeiras na elaboração, não avançando para o estágio de licitação. Por estas razões, a cada 100 projetos estruturados por PMI no Brasil, apenas seis se tornam contrato.

O Governo do Piauí será o primeiro beneficiário do modelo inovador da Ezute, que garante total isenção ao longo da estruturação. E outros governos devem adotar o mesmo modelo em breve: “o pioneirismo tem as suas dificuldades, mas com este primeiro acordo de cooperação celebrado, tenho certeza de que outros municípios com os quais estabelecemos contato desde o ano passado ganharão confiança e também farão a adesão ao nosso modelo” comenta o executivo da Ezute.

Para dar mais transparência ao processo e facilitar a interlocução com as prefeituras, a Ezute celebrou um acordo com a FNP – Frente Nacional dos Prefeitos, em novembro passado. Além do setor de Saneamento, a Fundação Ezute já publicou editais de captação para os setores de iluminação pública e resíduos sólidos. Os editais podem ser acessados em http://www.ezute.org.br/editais/. Neste setor de concessões e PPPs, além de atuar na estruturação dos projetos, a Ezute também pode atuar como Verificador Independente dos contratos celebrados.

 

Foto/Legenda:  Thomas Strasser (diretor de inovação e parcerias público-privadas da Fundação Ezute) e Viviane Bezerra (superintendente da SUPARC) assinam acordo de PPP em saneamento.

11
abr

Município catarinense terá assessoria da Fundação Ezute em projeto de PPP

Município catarinense terá assessoria da Fundação Ezute em projeto de PPP

Entidade assinou contrato com a Prefeitura de Timbó para viabilizar mais economia e eficiência na iluminação pública

A Fundação Ezute assinou, no dia 2/4, um contrato de assessoria técnica para estruturação do projeto de Parceria Público Privada (PPP) para implantação de um sistema de iluminação pública mais moderno e eficiente no município de Timbó (SC).

A Ezute vai apoiar a prefeitura na formulação, especificação e contratação, por meio de uma licitação, de uma

Foto: Sócrates Prado

concessionária privada para a implantação de sistema de iluminação pública mais moderna e eficiente. O projeto envolve o desenvolvimento institucional da Prefeitura de Timbó, com o diagnóstico da situação fiscal e regulatória do município, a capacitação da equipe da prefeitura, a estruturação do projeto, incluindo os estudos técnicos, operacionais, jurídicos e econômico-financeiros e o apoio nas etapas de consulta pública, audiência pública, validação do projeto com os órgãos de controle e processo licitatório. O prazo previsto para a execução é de oito meses. Os trabalhos já começaram e a expectativa do prefeito Jorge Krüger é que a PPP traga mais economia e eficiência, permitindo ao município catarinense ser uma das primeiras cidades do país a ter a iluminação pública totalmente de led.

O diretor de Inovação e Parcerias Público-Privadas da Ezute, Thomas Strasser, afirmou que a celebração do contrato atende à missão da Fundação de apoiar as organizações públicas a resolver os seus problemas mais complexos. “Vamos proporcionar o desenvolvimento institucional da Prefeitura de Timbó, apoiando a formulação e especificação da licitação, com total isenção e isonomia, para atrair a iniciativa privada que será responsável por realizar os investimentos que permitirão modernizar a iluminação pública do município”, disse Strasser.

Além deste contrato, segundo o diretor da Ezute, a  Fundação vem discutindo com o Consórcio Intermunicipal do Médio Vale do Itajaí – CIMVI, do qual Timbó faz parte, um Acordo de Cooperação para a estruturação de uma concessão de Esgotamento Sanitário nos municípios da região. Neste setor de saneamento, a Fundação assume a captação de recursos financeiros privados a título de doações com encargo e utiliza sua equipe técnica e consultores especializados para estruturar e desenvolver os estudos e modelagens para o projeto, sem custo para os municípios.

“No caso do setor de Saneamento, a estruturação do projeto será sustentada por essas doações e o valor do estudo será reembolsado à Fundação pela empresa que vencer a licitação, tenha ela sido ou não doadora, para que os recursos sejam utilizados em novos projetos em outros municípios”, afirma Strasser, ressaltando que este modelo é uma solução para a realidade do país, na qual apenas 6% dos projetos de concessão e PPPs estruturados por meio dos Procedimentos de Manifestação de Interesse – PMIs, são bem-sucedidos.

5
abr

Ezute lança livro sobre sua trajetória

Ezute lança livro sobre sua trajetória

Fundação realiza coquetel para autoridades na LAAD

A Fundação Ezute lançou, na última quarta-feira (dia 3), em seu estande na LAAD Defence & Security 2019, o livro “Fundação Ezute na Era da Soberania”, que conta a trajetória da organização em seus 22 anos de atividades.

Durante o lançamento da publicação, o presidente do Conselho de Administração da Fundação, Tarcísio Takashi Muta, contou sobre a criação da organização, em 1997, as mudanças de posicionamento desde então e os desafios que a Ezute enfrenta na atualidade.

“A Fundação foi criada para ser a integradora do projeto SIVAM – Sistema de Vigilância da Amazônia, e desde essa época tínhamos como modelo estruturas americanas como a Mitre Corporation, fundada em 1958, e a Rand Corporation, criada no pós-guerra em 1948, duas instituições sem fins lucrativos e parceiras do governo dos EUA na área de Defesa para o desenvolvimento de tecnologias”, explicou Takashi.

A Fundação nasceu espelhada nestes modelos e com três posicionamentos: desenvolvedora de tecnologias críticas; defensora da soberania brasileira; e impulsionadora da autonomia tecnológica nacional.

Em seu discurso, o conselheiro também mencionou a mudança da marca, de Fundação Atech para Fundação Ezute, em 2013. “A partir daí, passamos a nos posicionar como parceira do governo na idealização de projetos importantes e de interesse do estado brasileiro, alinhados com o modelo norte-americano da Mitre Corp.”.

 

Os convidados para o coquetel de lançamento do livro souberam, pela abordagem de Takashi, que a publicação cita também alguns desafios da atualidade. “Precisamos de uma legislação que reconheça uma entidade como a nossa, sem fins lucrativos e privada, como parceira do governo na formulação de soluções de interesse do estado. Podemos dar enorme contribuição ao governo discutindo em parceria o desenvolvimento de programas estratégicos”, defendeu o executivo.

 

3
abr

Conhecimento é o principal insumo da Ezute em projetos de Defesa

Conhecimento é o principal insumo da Ezute em projetos de Defesa

Soluções e serviços especializados para o segmento serão apresentados pela Fundação durante a LAAD 2019

A participação da Fundação Ezute na gestão técnica complementar de projetos de Defesa continua ativa. Durante a LAAD 2019 a equipe da Ezute apresenta sua ação integradora em projetos como do Míssil Antinavio Nacional de Superfície (MANSUP), que se encontra no final do desenvolvimento, bem como suas atividades de absorção e transferência de tecnologia em projetos como o Programa de Desenvolvimento de Submarinos (PROSUB).  No caso do MANSUP, o último protótipo será lançado em junho desse ano, quando então começará a fase de transformação do míssil em produto industrial, depois de dois testes já realizados pela Marinha do Brasil, em março ultimo e em novembro do ano passado..

“Nosso  principal insumo é o conhecimento para a concepção de soluções inovadoras e o desenvolvimento de programas de alto valor tecnológico”, afirma  o diretor-presidente da Ezute, engenheiro Delfim Ossamu Miyamaru. Durante a LAAD 2019, Delfim falará sobre a ampliação e diversificação das plataformas de serviços especializados prestados pela Fundação em projetos de engenharia e implantação de sistemas, e na execução de projetos de gestão.

É o caso do Sistema de Vigilância da Amazônia (SIVAM) da Força Aérea Brasileira, que garantiu a conquista da independência tecnológica do país em seu sistema de tráfego aéreo; da assessoria técnica e de concepção prestada ao Sistema de Gerenciamento da Amazônia Azul (SISGAAz), da Marinha do Brasil; e da concepção preliminar do atual SISFRON, projeto estratégico do Exército Brasileiro.