A Fundação Ezute fornece serviços intensivos em conhecimento para:

– conceber sistemas de sistemas
– formular soluções de comando e controle
– integrar sistemas complexos

O conhecimento e a inteligência acumulados pela Fundação Ezute ao longo da execução de diversos projetos de vigilância de grandes áreas no Brasil a qualificam para ser a sua parceira estratégica na formulação de novos conceitos.

MARINHA DO BRASIL

A Marinha do Brasil requer soluções para o cumprimento de sua missão constitucional:

“Preparar e empregar o Poder Naval, a fim de contribuir para a defesa da Pátria; para a garantia dos poderes constitucionais e, por iniciativa de qualquer destes, da lei e da ordem; para o cumprimento das atribuições subsidiárias previstas em Lei; e para o apoio à Política Externa.”

A Marinha busca essas soluções em alternativas nacionais de fornecimento, pois grandes potências procuram manter o domínio de suas tecnologias. A Fundação Ezute atua na contribuição a este movimento de valorização do produto nacional de defesa, oferecendo no país engenharia de ponta e visão sistêmica para que esta Força realize com sucesso sua missão.

Conheça os programas da Marinha em que a Fundação Ezute atua:

SisGAAz
PROSUB
MAN-SUP

EXÉRCITO BRASILEIRO

A Estratégia Nacional de Defesa, aprovada em 2008 e revista e atualizada em 2012, afirma que a proteção das fronteiras é peça vital para a soberania nacional. Por isso mesmo, figura explicitamente no rol das responsabilidades constitucionais do Exército Brasileiro (EB). Com base nesta orientação, a Fundação Ezute decidiu de forma voluntária trabalhar num delineamento dos processos e métodos cuja adoção e implementação seria necessária ao cumprimento da importante missão.

As linhas mestras do projeto foram apresentadas ao comando da Força no primeiro semestre de 2010 e, após adaptação ao calendário e métodos próprios de trabalho do Ministério da Defesa, foi incorporado ao elenco dos projetos estratégicos permanentes do EB. Articulado em todos os níveis com o Sivam, adotado pela Força Aérea Brasileira a partir de 1997, e do SISGAAZ, sob a responsabilidade da Marinha do Brasil, o plano de proteção das fronteiras terrestres contém as linhas básicas de como será possível alinhar as tecnologias mais atualizadas na área de processamento de grandes massas de informação com a presença física dos dispositivos de vigilância e de ação já existentes no arsenal do EB.

A Fundação Ezute, através de sua antecessora Atech, foi contratada para garantir com sua experiência o melhor resultado no esforço para obter e dominar os recursos técnicos indispensáveis ao exercício da plena soberania no monitoramento das fronteiras.

A Fundação Ezute, através de sua antecessora, a Fundação Atech, liderou os projetos que garantiram a conquista da independência tecnológica do país em seu sistema de tráfego aéreo, marcando assim presença decisiva numa etapa vital da história da aviação brasileira.


FORÇA AÉREA BRASILEIRA – SIVAM

Em 1997 foi consolidado o processo de contratação dos fornecedores: a principal fornecedora dos equipamentos foi a Raytheon; a fornecedora dos meios aéreos escolhida foi a Embraer; e a organização integradora brasileira foi a Fundação Ezute (na época, denominada Fundação Atech). A Fundação Ezute foi a responsável pela absorção do conhecimento e integradora de todos os processos e produção de informações do Sivam. Com o trabalho, a instituição tornou-se a primeira no mundo a ter a responsabilidade de conceber e integrar um inovador sistema de inteligência constituído por vigilância e controle do espaço aéreo e investigadora de ocorrências de todo o tipo de ilícitos que ocorrem numa região como o da Amazônia Legal Brasileira.